Lazinho da Fetagro pede reforma e ampliação de escolas em Vilhena

Construção e reforma de espaços adequados dá ao aluno o respeito e a valorização que lhes são implícitas


O deputado estadual Lazinho da Fetagro (PT) apresentou durante sessão ordinária, na Assembleia Legislativa, indicação ao Poder Executivo para que a Secretaria Estadual de Educação (Seduc), atenda a Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Álvares de Azevedo, com a construção de passarelas de acesso aos laboratórios de informática e ciências bem como o acesso para a quadra de esportes, a reforma na quadra poliesportiva da Escola Shirlei Ceruti, melhora no projeto de esporte, adaptando os espaços, cobertura da quadra, construção de banheiros, salas para prática de balé e ginástica rítmica e vestiários, na Escola Maria Arlete Toledo, solicita também o atendimento à Escola Paulo Freire com a construção de um refeitório. Todos os estabelecimentos de ensino pertencem ao município de Vilhena. 

Lazinho relata que a Escola Álvares de Azevedo possui em média 200 alunos, sendo necessária a construção de passarelas, o que vai facilitar a vida do estudante, bem como de professores que precisam passar o dia todo na unidade. 

Já a escola Shirlei Ceruti possui uma quadra poliesportiva, mas que está em risco, com o revestimento soltando e ainda fica alagada quando chove, o que prejudica a prática esportiva. “Às vezes um pequeno problema não resolvido pode se converter em uma situação mais grave, inclusive causando acidentes” destaca o deputado. 

Na Escola Paulo Freire o deputado informa que a unidade possui 220 alunos, mas o pátio comporta apenas 80, por isso a necessidade de construir um refeitório, “sabemos que o aluno vê a escola como extensão do seu lar, e o espaço deve ser o mais receptivo e adequado”, pontua. 

Lazinho da Fetagro destaca a importância do ambiente escolar no aprendizado do aluno e que as escolas têm desenvolvido projetos para manter o estudante em sala de aula, mas muitas vezes é difícil pela falta de estrutura física. “A construção e reforma de espaços adequados dá ao aluno o respeito e a valorização que lhes são implícitas”, finaliza.

Texto: Eláine Maia – DECOM/ALE

Foto: Marcos Figueira