Crise na saúde é deixada de lado na câmara de vereadores

Parlamentares esperam resultado de laudos e investigações

A mais nova crise na saúde pública do município de Vilhena passou bem longe da pauta de debate da câmara de vereadores. O único parlamentar que tocou em um dos assuntos que compõem o novo inferno astral da Secretaria Municipal de Saúde (Semus) foi o tucano Samir Ali.

Ele resumiu todo o universo de dúvidas que novamente se instalou no setor com uma frase de incentivo ao diretor do Hospital Regional, Faiçal Akkari, que estava acompanhando o encontro legislativo, e disse que o caso envolvendo o cardiologista preso no final de semana “deve ser apurado”.

Contudo, a batida da Polícia Federal e do Ministério Público Federal à maior unidade de saúde do extremo de sul de Rondônia “passou batido”. A tropa de choque do prefeito Eduardo Japonês (PV) na casa de leis não tocou no assunto e os vereadores que não compõem a coalisão pró-prefeito também deixaram o assunto de lado.

Nos bastidores da política, no entanto, o assunto continua rendendo comentários e espera-se pelo resultado da coleta da água retirada da unidade de saúde, prometida para esta quarta-feira, 12, pelos investigadores.

A equipe de reportagem da Gazeta Amazônica perguntou a alguns parlamentares sobre o motivo pelo qual o assunto não foi comentado na sessão. A maioria relatou que ainda cedo para falar, e que estão esperando o resultado do laudo.